As primeiras aparições de Nossa Senhora


01/08/2005

Valdis Grinsteins

Em função das necessidades da Igreja, e sempre reguladas pela virtude da sabedoria, houve algumas aparições da Santíssima Virgem nos primeiros séculos.


Qual o motivo?


Nossa Senhora do Pilar, Saragoça - Espanha

Têm sido publicados recentemente em italiano vários livros enumerando as aparições de Nossa Senhora. Não os tinha consultado, mas numa recente visita a Roma aproveitei a oportunidade para fazê-lo, e fiquei surpreso: numa época houve numerosas aparições, noutra eram muito raras; numa época a Virgem aparecia a certa categoria de pessoas, noutra a outra categoria completamente diferente; no século XX houve importantíssimas e comprovadas aparições (por exemplo, Fátima, Lourdes), mas também uma espécie de “inflação” de aparições falsas, como que indicando a permissão dada ao demônio para confundir as almas, em castigo por nossos pecados.

Sob certo ponto de vista, o mais interessante era ver como as aparições iam sempre ao encontro das necessidades mais prementes da Igreja no momento. Assim, na época da conquista e conversão da América registram-se várias aparições da Virgem aos índios, ajudando desta forma no apostolado que realizavam os missionários para catequizá-los, batizá-los e civilizá-los. Mas nunca ouvi falar de aparições da Virgem a certos “neomissionários” de hoje, empenhados em que os índios fiquem sem batismo e no estado de barbárie...

No século XIX houve várias aparições da Virgem aos santos fundadores de congregações religiosas, que tanto ajudaram na expansão mundial do catolicismo, sem contar o ciclo de aparições ligadas à difusão da devoção mariana, como a da medalha milagrosa, Lourdes etc.

Veio-me a curiosidade de analisar mais detalhadamente um ponto: como foram as primeiras aparições da Santa Mãe de Deus?

Os santos, esses privilegiados


Aparição de Nossa Senhora do Pilar a São Tiago e seus discípulos - Goya, 1798

A conversão da Espanha ao catolicismo foi bem mais difícil do que se imagina. O Apóstolo Santiago esforçava-se e sofria para converter aqueles pagãos endurecidos. Nossa Senhora ainda vivia, e para encorajar o provado Apóstolo, Ela lhe apareceu sobre um pilar na cidade de Cesaraugusta (hoje Zaragoza), dizendo-lhe que no futuro a fé daqueles povos seria profunda e séria. Muito consolado, o Apóstolo continuou seu árduo trabalho, resultando que hoje uma parte considerável da Igreja Católica reza em espanhol. E Nossa Senhora do Pilar é a Padroeira da Espanha.

No rigor da linguagem teológica, esta não foi uma aparição, mas uma bilocação (estar em dois locais ao mesmo tempo), pois Nossa Senhora ainda estava nesta Terra. Mas a seguinte pode ser considerada a primeira aparição da História, no sentido próprio do termo.

Estavam os Apóstolos reunidos na cidade de Éfeso, atual costa da Turquia, mas que nessa época era uma cidade grega. Imploravam eles o auxílio da Santíssima Virgem nas diversas dificuldades da nascente Igreja, quando a Mãe de Deus lhes apareceu, cheia de luz, e lhes prometeu que jamais os abandonaria. Esta aparição não deixa de ter um simbolismo muito bonito, pois Nossa Senhora apareceu aos Apóstolos em seu conjunto, como representação da Hierarquia da Igreja, e lhes prometeu sua permanente ajuda. Auxílio que Ela irá demonstrando constantemente ao longo da História.

A seguinte aparição, a que agora nos referiremos, parece proposital para ensinar os caminhos de Deus aos que pensam que a Igreja, em sua história, só apresenta progressos espetaculares, brilhantes, de efeito imediato. Pelo contrário, esta aparição não podia crescer de modo mais humilde. Por volta do ano 70, vivia em Le Puy, na atual França, certa mulher convertida havia pouco à verdadeira Religião. Estava gravemente doente, mas após ter visto a Virgem Santíssima ficou curada e construiu no local das aparições uma pequena capela. Ali foram se registrando com o passar do tempo outros milagres, que contribuíram para a sua popularidade. Entretanto, só muito lentamente as peregrinações foram surgindo. A igreja edificada no século XIX no local da antiga capela é ainda um centro de peregrinações. Os bispos locais aceitaram tal devoção, que se impôs mais pela perseverança ao longo dos séculos do que por milagres espetaculares ou revelações retumbantes. Assim ocorrem muitas coisas na Igreja: um pequeno trabalho de todos os dias, do qual não se vê o fruto imediato, mas que vence pela perseverança e acaba alcançando êxito e um grande bem.

Aparições e lutas doutrinárias


Santuário de Nossa Senhora de Puy, na França

Na seguinte aparição, Nossa Senhora e São João Evangelista apresentam-se a São Gregório Taumaturgo (já comentada com detalhes nesta revista, em abril/2003: “Uma aparição mariana no século IV”). Ela apresenta uma característica, que se repete nas seguintes: havia cessado a era das perseguições e martírios, e o demônio, que não conseguira destruir a Igreja pelas vias violentas, queria destruí-la por meio das heresias.

Hoje, o conjunto de ensinamentos da Igreja — lógicos, sólidos, conseqüentes e admiráveis — parece-nos a coisa mais normal do mundo. Mas, para chegar até isto, foram indispensáveis, sob a divina inspiração do Espírito Santo, muito esforço, intensas polêmicas e pertinaz estudo. Por exemplo, foram necessários 10 séculos para que a realidade dos sacramentos instituídos por Nosso Senhor pudesse ser doutrinariamente expressa por uma definição clara e precisa. Por aí pode-se medir quanta oração foi necessária, quanto trabalho e esforço empregado para exprimir essa admirável catedral de doutrinas, muitas delas apenas implícitas nos Evangelhos e na Tradição. Não deve causar estranheza, pois, o fato de o demônio desejar introduzir pedras falsas nas fundações doutrinárias – é o caso das heresias – a fim de tentar derrubar todo o magnífico prédio doutrinal da Igreja de Jesus Cristo.

Para defender a Igreja, Nossa Senhora aparece aos bispos, sucessores dos Apóstolos, em cumprimento de sua promessa de que jamais os abandonaria. Assim, estão registradas duas aparições a São Nicolau, Bispo de Mira. A primeira, quando ele foi nomeado bispo; a segunda, logo após o Concílio de Nicéia. São Nicolau (o famoso bispo que celebramos no Natal, pela sua admirável caridade) foi um dos grandes defensores da doutrina católica sobre a natureza divina de Nosso Senhor.

A História registra, quarenta anos após estas, uma aparição da Virgem a São Basílio de Cesaréia, grande defensor da doutrina sobre a Trindade Divina. Aproximadamente no ano 370, Ela apareceu várias vezes a São Martinho, Bispo de Tours, empenhado na formação dos futuros bispos santos que iriam mudar a França profundamente.

Hoje em dia muitas pessoas têm dificuldade em medir a importância doutrinária ligada a tais aparições. A filosofia e a teologia parecem-lhes ciências “aéreas”, que se ocupam de problemas nas nuvens, sem conseqüência prática na vida de todos os dias. Nada mais distante da realidade.

A Igreja esforçava-se para apresentar, com clareza e precisão, a verdadeira doutrina do Evangelho sobre a natureza de Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. O demônio empenhava-se em mostrá-lo apenas como homem (e nesse caso, a Igreja Católica não teria uma origem divina) ou só como Deus, com um corpo apenas aparente (o que esvaziaria o sentido da Redenção e O tornaria inimitável pelos homens).

Como vemos, naquela época como hoje (basta pensar em Fátima) as aparições de Nossa Senhora estão profundamente ligadas ao núcleo da luta entre o bem e o mal.

Veja:
http://www.catolicismo.com.br

Topo da Página

 

 

 

 

 

 
Leia Também
A Virgem de Guadalupe: desafio à ciência moderna
As Padroeiras do continente americano
O “Leão de Münster” elevado à honra dos altares
São Domingos Sávio: o mais jovem santo não mártir da Igreja
Anencefalia: STF decide amanhã sobre a liminar
Nossa Senhora e o primeiro mandamento